THE GOOD SOLDIER— THE REUNION

15:37

Capa por Eloanne Cerqueira


  Algumas semanas se passaram desde o encontro entre Joana e Thomas na festa. Helena e as outras continuaram a convidá-la para outras reuniões como aquela, mas a brasileira se recusava a ir. É certo que havia mudado – um pouco – sua opinião sobre soldados americanos, mas simplesmente não sentia vontade de ir de novo.
         Thomas continuava a ir para as festas. Mas, ao contrário do que Joana pensava, ele estava lá por ela. Esperava que a garota de saia longa e cabelos amarrados chegasse para tirá-lo daquele tédio. No dia que a conheceu, correu até Harry para conseguir o endereço da moça, mas ainda tinha esperanças de encontrá-la para mais uma dança. Planejava procurar por ela o mais rápido possível, mas ao mesmo tempo, precisava de algo para impressioná-la. Era só o soldado americano ingênuo que sequer conseguia cumprimentar em português. Precisava ao menos aprender a manter uma conversa inteira no novo idioma sem passar nenhum vexame.
Era final de tarde e Joana terminava alguns bordados. Apesar da idade ser propícia para iniciar o enxoval para o casamento, a moça bordava apenas por diversão. Adorava bordar. Estava sentada na cadeira de balanço a qual pertencia a sua avó, o bastidor nas mãos, esticando o tecido, a agulha indo e vindo, os olhos fixos no trabalho que fazia. O vestido azul claro com rosas grandes e vivas, com folhas ao redor destas em verde escuro; As mangas de alfaiataria iam até os cotovelos, a saia pouco abaixo do joelho, um cinto favorecendo a silhueta da brasileira; Os cabelos longos e soltos, naturalmente cacheados nas pontas; Os pés descalços. Ouviu reboliços na entrada de sua casa, mas não deu importância. Continuou o que fazia, tentando ignorar alguns risinhos femininos até que Maria passou por si, indo até a porta ver o que se passava. Foi então que a empregada voltou, limpando as mãos no avental e esbanjando um sorriso largo no rosto.
- Senhora, há um rapaz a sua procura. – Maria tentava conter sua animação, mas não obtinha sucesso. – Fala arrastado e tem a pele laranja, só pode ser estrangeiro! – E por fim ela riu. Maria ouvira a conversa das moças semanas antes e imaginava ser o mesmo rapaz.
Joana arregalou os olhos. Tinha esperanças de que ele realmente aparecesse, mas tentava ser menos iludida que as amigas, afinal, a guerra ainda acontecia. E todo aquele sonho poderia chegar ao fim quando os soldados fossem convocados para uma batalha longe dali. Mas Thomas havia voltado, com dissera. Ela tinha todo o direito de se iludir, ao menos um pouco. Ergueu-se da cadeira e o tecido que bordava foi jogado ali mesmo e nem se deu ao trabalho de procurar por sapatos. Mal chegou e já encontrou o rapaz rodeado pelas vizinhas, tímido e em completo silêncio, enquanto elas continuavam querendo chamar sua atenção. Joana riu, fazendo com que todos ali notassem sua presença, inclusive Thomas.
- Olá! – Disse ele se desvencilhando das demais moças, sorrindo abertamente. – Perdoe-me pela demorar em procurar por você. – As presentes demonstraram insatisfação, mas continuaram para bisbilhotar. A moça riu da fala carregada e pausada.
- Algo me diz que demorou para aprender português. – Ela cruzou os braços, encarando-o séria, apesar do sorriso no rosto. Ele encarou o chão, parecendo pensar na próxima fala.
- Eu precisava impressionar-te. – E sorriu, fazendo-a negar com a cabeça e convidá-lo para entrar.
O soldado adentrou a casa simples com as mãos para trás e unidas uma a outra. Os olhos passaram por toda a extensão da sala, parando apenas quando voltaram a fitar Joana, ambos sorriram. O americano fora convidado a se sentar em um belo sofá de tom claro e a moça voltou para a cadeira que estava antes, deixando o tecido que bordava sobre o colo.
- What’s that? – Perguntou ele apontando para o objeto nas mãos dela, a moça o escondeu.
- Nothing. – Os olhos se desviaram do dele e não entendeu muito bem o porquê daquilo. Sempre gostara de mostrar o que fazia e se sentia orgulhosa dos trabalhos, mas sentiu receio naquele momento. Thomas riu e estendeu a mão para ela.
- Let me see it. – Pediu com os claros olhos totalmente apelativos. A garota apertou os braços em volta do bastidor, não se deixaria levar pelos azuis novamente. – Please.
Joana apenas suspirou e se deu por vencida. Devagar, a mão que segurava o tecido foi estendida na direção dele e com um sorriso nos lábios, o soldado a pegou. Os olhos estavam fixos nas curvas tão bem feitas no tecido, marcantes e delineadas, uma verdadeira obra de arte.
- How do I say “It look’s beautiful” in portuguese? – O olhar era cúmplice e Joana riu, estendendo a mão para pegar o objeto de volta.
- “Está lindo”. – Disse pausado e o bastidor lhe fora entregue, mas Thomas não o soltou.
- Você está lindo. – Um sorriso canteado adornou os lábios do soldado e Joana tentou conter o risos, mas não obteve sucesso.
- In this case, you should say “linda” ‘cause I’m woman. – A correção saiu entre risos por conta da expressão derrotada que o rapaz aderiu. – Hey, don’t worry! And thank you for the compliment. –E um sorriso sincero adornou os lábios da moça. – Well, for both of us. – E o tecido que bordava fora erguido, indicando que agradecia por ele também.
E assim, a tarde se seguiu. A conversa ia bastante animada, com Thomas se atrapalhando muitas vezes e se sentindo estúpido em todas elas. Ao menos Joana ria e o corrigia. Eram então dois ganhos por erro: A correção e o som de sua risada. Maria aparecera algumas vezes para oferecer lanches e era ainda mais divertido ver a empregada tentando pronunciar o inglês. Por fim, bolos, café, biscoitos e cocadas foram servidos e o soldado se viu maravilhado com o doce sabor dos pequenos tabletes de coco os quais nunca ouvira falar. Agora ele tinha dois grandes motivos para estar lá novamente: A presença de Joana e as cocadas de Maria.
Os lanches chegaram ao fim, assim como a tarde e Thomas anunciou que precisava ir embora. O escurecer não era o único motivo, também não estava preparado para encontrar com os pais da garota e imaginava que aquele era o horário propício para que eles chegassem. Maria recolhia as louças quando o soldado se ergueu do sofá, informando sua partida. A mão da empregada foi apertada e um desajeitado “See you later” foi pronunciado por ela, fazendo o rapaz rir. Fora levado até a porta pela moça e ambos pararam para uma última despedida.
- Obrigado por hoje. – A fala não era pausada o que fez Joana pensar que ele havia ensaiado mentalmente. Não pôde deixar de sorrir.
- Não há de quê. Eu que agradeço pela visita. – A mão do americano encontrou a dela e a puxou para cima, deixando que os lábios encontrassem o dorso da mesma. Joana não se sentiu tão desconcertada quanto da outra vez, mas seu coração falhou uma batida.
- Can I see you tomorrow?  - Pediu ainda segurando a mão da moça e aproveitou do momento e da privacidade para entrelaça-las.
- You know where to find me. – Sorriu ela e delicadamente apertou a mão de Thomas, que sorriu com a resposta positiva.



(Continua...)

Confira os demais capítulos nos links abaixo:
The meeting; The reunion; The War; The Letters; The end;

Leia Também:

7 comentários

  1. Oh Thomas aí todo empenhado em se aventurar no português. Boa sorte pra ele x]

    Bem legal que Joana gosta de bordar, ela tem cara mesmo de quem valoriza as tradições. Ela bem que podia (depois q eles passassem da fase de conhecimento) bordar um lenço ou algo assim para ele levar consigo, guardadinho no uniforme de militar e tals.. hm.. Aaah sim, também adorei o detalhe dos pés descalços, pq sempre vejo um ar mais intimista nisso, como se o personagem estivesse à vontade mesmo com "a gente ali observando sua história". E caara, uma gracinha o Thommy elogiando a moça e o bordado, todo cheio das sutilezas.. rapaz esperto, gosto dele.
    E não dá pra a pessoa ler sem imaginar os tijolinhos fofos, doces, lindos, caseiros, cheirosos.. oow vontade q dá de comer cocada *-*
    Maria, a moça dos doces, (q eu só li como "Maria" na última vez, as anteriores li "Marta".. vai saber kkk) é a esperta da área, pq em vez de ficar cercando o rapaz como as outras vizinhas, ela foi toda da folia aprendendo o inglês e ficando brother. Ela ainda usou os dotes culinários e cativou o soldado, conseguindo de brinde q o rapaz ficasse fan das cocadas.. hm.. isso podia até ser um plano, tipo, Maria já soubesse q ia jogar seus melhores doces quando o rapaz de quem as moças falavam aparecesse, pq caso acontecesse algo e eles acabassem se desentendendo, ele poderia se sentir compelido a retornar o contato em busca das cocadas.. hm.. pq cara, são cocadas.. hm.. maaas, Marta não parece ser uma shipper q planeja as coisas, ela só vai ajeitando aqui e ali, então tudo certo..rs
    Uma outra coisa, tbm gostei da parte de Joanina hesitar em mostrar o bordado, pq a entendo e acho que condiz com o "momento" em q eles estão. Tipo, quando se gosta de fazer algo das artes vez ou outra aparece alguém incomum querendo ver o trabalho.. rpz, não sei como você reage, mas a minha primeira reação normalmente é de hesitar kkk principalmente se já tiver toda uma empatia pela pessoa e tals.. mas a gente sempre acaba cedendo.. é engraçado x]

    E acho lindo que sua inspiração tenha voltado, então, enquanto espero o próximo, confabularei acerca do The End o/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você e seus comentários gigantes que eu amo/doru ♥
      Cara... o pior é que eu curti a ideia do lenço, MAS precisamos de um jeito de encaixá-la no contexto e etc, até pra fazer um draminha mais básico depois. Vamos marcar uma reunião do nosso conselho de ideias. xD
      COCADA É COCADA, NÉ VELHO? Sem contar que É Rio Grande do Norte, nordeste sem cocada não é nordeste, pfvrrr.
      EU IA COMENTAR TUDO, mas tô com preguiça! Então apenas marco minha presença linda aqui nos comentários e agradeço a sua pessoa por ter vindo comentar, obg. ♥ LASDKLÇASDKSDDASDK

      Excluir
  2. “- Let me see it. – Pediu com os claros olhos totalmente apelativos. A garota apertou os braços em volta do bastidor, não se deixaria levar pelos azuis novamente. – Please.” Ai Thomas na minha vida, e sim eu ainda to lendo pensando em um sotaque britânico XD
    Esse foi mais curto ou eu quem o li rápido demais? Enfim, como lidar com toda essa fofura do Mr. Thomas? Gente naquela parte do Let me see it eu sai vomitando arco-íris aqui, porque, veja bem. Ele se esforçando pra aprender PT e se atrapalhando todo pra falar com ela foi muito amor também, e as correções ficaram bem naturais e tal, assim como a forma como os dois agiram; Não foi difícil de imaginar nada, e o texto fluiu muito bem, a hesitação dela e na hora de mostrar o bordado foi muito real cara!
    Os detalhes do ambiente e da fala que rementem perfeitamente a histórias de época também ficaram muito <3 E eu to aqui surtando na Maria porque ela foi esperta, quero ver Tom voltando por causa das cocadas nessa casa HUE
    Bem espero os próximos capítulos e torço pra sua inspiração continuar de vento em polpa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Just for the record...
      "- Let me see it. – Pediu com os claros olhos totalmente apelativos. A garota apertou os braços em volta do bastidor, não se deixaria levar pelos azuis novamente. – Please."
      Enquanto isso na mente da sua ahjumma http://lokiperfection.tumblr.com/post/77095770560/warheartcob-those-eyes-tom-hiddleston-blue

      I CAN'T!

      Excluir
    2. LET ME SEE IT!!! HAHAHAHAHAHA
      Cara, de início eu pensei que você estava lendo com o Tom de Mcfly, eu já ia te bater. Mas o Tom Loki pode, então tá sucesso. ♥ Eu também tive a impressão de que estava rápido, mas está do mesmo tamanho do outro, acho que por conta da situação, não sei explicar! lol Fico feliz que tenha gostado e fico mais ainda por estar esperando maissssssss. ♥♥♥

      Excluir
  3. O quão adorável é Tomzinho? Sim, Tomzinho é mais bonitinho, faz jus a gracinha desse homi lindo, fofo e assanhado. Me perguntando como isso vai desenrolar. Uma hora ele vai ter que ir, certo? Eu já logo vejo esse momento, uma vez que tudo o que é bom dura pouco. Por favor, só me diz que ele não morre, porque eu sofro demais com esse tipo de romance. Sofro MESMO. Mas enfim, eu tô querendo mais, tô quero saber cada detalhe que vai acontecer, como esse romance vai desenrolar, muito mais Thomas sendo fofo, muito mais Joana desconcertada.

    Fazendo macumba online pra sua inspiração grudar em você e não te largar mais.
    No aguardo, gatíssima!

    Beijinho xx

    ResponderExcluir
  4. "lindo, fofo e assanhado" ÇLSKDAÇDLSK Pior que é verdade! xD Uma graça ele indo lá e se atrapalhando no português, e... ai, Thomas! ♥ LSKDJALKSJ ENTÃO! Esse é um spoiler que eu não posso te dar ainda, MAS, apenas sugiro que esteja preparada para todas as situações, ta? Stay strong, girl! :c hahaha
    E pode deixar, mais Thomas sendo fofo e muito mais Joana desconcertada! xD

    "Fazendo macumba online pra sua inspiração grudar em você e não te largar mais." SKLADJDKSAJ FAZ MESMO, VIU! Tô precisada.

    ResponderExcluir

ATENÇÃO:

O conteúdo aqui postado é de responsabilidade de seus respectivos autores e fica proibida a reprodução de qualquer publicação sem o consentimento dos mesmos e/ou sem os devidos créditos, sendo considerado PLÁGIO.

ARQUIVO