I STILL LOVE YOU

15:05


Capa por Eloanne Cerqueira
          Era manhã de domingo, Hyerin adorava o primeiro dia da semana pelo simples fato de ser sua folga. Sempre acordava pouco antes do almoço, comia qualquer coisa e, ou passava a tarde inteira ao lado de Minkyung e Yiyoung, ou ia até a praça mais próxima fotografar o tão simples e espetacular cotidiano.
         Mas naquele domingo em questão ela estava inquieta. Acordara antes das nove sem o uso de despertador. Arrumou a cozinha, organizou seus livros, limpou o armário e o tempo parecia não passar. E por mais que fingisse ou fugisse, ela sabia muito bem qual era o motivo de tanta inquietação. Mesmo depois de doze anos aquilo ainda a incomodava de uma maneira que não conseguia explicar. Ainda se lembrava do último “boa noite” que ouvira. Se soubesse que seria a última vez dele ao seu lado, teria sido mais agradável, teria dito tantas outras coisas do que apenas “boa noite” e um beijo em seu rosto. Suspirou e largou o paninho que usava para limpar a mesa de centro que àquela altura já brilhava do tanto que a garota havia esfregado. Sem muito ânimo foi até o sofá, largando-se sobre ele e levando as mãos que cheiravam a lavanda até o rosto, escondendo-o e impedindo o caminho que mais um suspiro percorria.
         Em uma das festas que ia com as amigas, conheceu Yujin uma advogada bastante divertida e um tanto louca, mas muito competente. Conversaram bastante mesmo fora das reuniões e ao tornarem-se próximas, Hyerin contou-lhe um pouco de sua história. Yujin pareceu interessada no assunto e respeitando o espaço e privacidade da mais nova, pediu apenas um nome. Apesar de não acreditar muito, a fotógrafa lhe passou a informação, ouvindo um “logo mais entrarei em contato” como resposta. E ela entrou mesmo em contato. Pouco menos de duas semanas foram o suficiente para que a advogada encontrasse informações cruciais sobre o assunto, mas Hyerin não queria detalhes. Pediu apenas um endereço e telefone que lhes foram dados mais do que depressa.
         O papel agora se encontrava sobre a estante e a garota tentava ignorá-lo, mas este parecia chamar a coreana que insistia em manter-se ocupada para adiar aquele “encontro”. Mais um suspiro e então se levantou, pegando finalmente o pedaço de papel e olhando tais informações que já sabia de cor do tanto que as encarou desde que as teve em mãos. Voltou ao sofá ainda com os olhos fixos nos bilhete, tentando reorganizar seus pensamentos.
         Buscou o celular que por sorte estava bem ali no mesmo estofado e agora olhava do papel ao aparelho freneticamente. Deveria mesmo ligar pra ele depois de tanto tempo? Todas as circunstâncias diziam que não, mas seu coração dizia o contrário. Respirou fundo e antes que pudesse pensar muito e acabar desistindo, discou os sete números levando o celular ao ouvido, aguardando ansiosamente pelos toques de chamada que pareciam não iniciar nunca. O que deveria falar? Diria que estava perdoado assim que ele atendesse? Agiria normalmente? Contaria sobre sua vida ou pediria explicações? Estava beirando a taquicardia e se perguntava se não era melhor desligar e fingir que nada aconteceu. O penúltimo toque fora interrompido e os três segundos de silêncio fizeram o coração da moça falhar uma batida.
         - Alô? – Perguntou a voz que ela tanto adorava, agora um tanto rouca por conta da idade.
         - Oi, pai. – Disse ela em tom baixo, finalmente sentindo seu coração voltar a bater.
Os olhos do mais velho se arregalaram e quase saíram de suas órbitas ao ouvir tal voz. Estava mais firme, porém continuava doce como se lembrava. Toda a culpa e vergonha que sentiu naqueles doze anos apenas aumentaram ao ouvir a voz de sua filha mais velha, entretanto ao mesmo tempo, aquele timbre fez com que uma pontinha de esperança crescesse no velho coração de sr. Oh.
         - Oi, cheeks! – O sorriso que adornava o rosto da garota era tão grande que ela mesma nunca imaginou que seus lábios suportariam um desses. “Cheeks” era seu apelido de infância, dado pelo próprio. Era uma palavra em inglês que significa “bochechas”, e Hyerin possuía fartas em seu rosto. Apesar do turbilhão de perguntas e coisas que queriam sair dos lábios dela, limitou-se apenas em dizer:
         - Como o senhor está? – Que na verdade, significava “Não precisa se preocupar com explicações agora, pai.”
         - Eu estou surpreso! Mas e você, está tudo bem? – Foi a resposta dele entre um sorriso bobo, que significava “Obrigado por ligar mesmo depois de tudo que eu fiz.”
         A conversa seguiu simples, com frases simples que significavam outras mais complexas, mas que não havia necessidade de serem ditas no momento. Marcariam um jantar no próximo fim de semana e todas as perguntas seriam feitas, as explicações seriam dadas, lágrimas derramadas e perdão seria doado. Mas tudo seria depois, bem depois. Não é apropriado citar na ocasião, afinal, ainda estamos naquele reencontro sonoro a longa distância, que inclusive acabara de passar por divertido e delicado momento em que ambos disseram “Estou com saudades” em uníssono, rindo da forma mais boba possível em seguida pela coincidência.
         No final das contas, eles se sentiam da mesma maneira. Culpavam-se da mesma maneira, eram vítimas da mesma maneira. Sr. Oh lembrava-se da semelhança e ainda e orgulhava por Hyerin ser sua cópia exata em um corpo feminino. Sinceramente, agradecia aos céus pelo coração bom que ela tinha. Apesar de não tocarem no assunto, ele sabia que sua filha o tinha perdoado e não havia pai no mundo mais feliz do que ele, mesmo só ouvindo sua voz, mesmo que não soubesse como era seu rosto agora como uma mulher, mas ele a amava.
         E o mais importante de tudo,

         Ela ainda o amava. 

Leia Também:

2 comentários

  1. O que mais gostei nessa fanfic foi a capa -sqn
    kkk tá parei de dorguisse, vamos ao que interessa
    O melhor da fic foi o mistério que ficou até quase que o fim da fic, deixando o leitor sem saber direito com quem ela iria falar. e mesmo o adiamento de "tema" pesado para um próximo encontro ficou bem for real também, afinal não era o momento pra se tratar do assunto.

    Beijos~~ Pryh sua Ahjumma
    Líros Ao Mar

    ResponderExcluir
  2. Não posso ler nada com Orgulho e Perdão, eu só DESABO a chorar!
    Eu achei fofíssimo o desenvolvimento. Achei bastante real, bastante bonito. De verdade.
    Eu te disse várias vezes que sua escrita melhorou muito, não tava brincando! Parabéns.

    <3

    ResponderExcluir

ATENÇÃO:

O conteúdo aqui postado é de responsabilidade de seus respectivos autores e fica proibida a reprodução de qualquer publicação sem o consentimento dos mesmos e/ou sem os devidos créditos, sendo considerado PLÁGIO.

ARQUIVO